A escolha do nome

Ao longo da gravidez passamos por várias fases, fazer exames, saber o sexo do bebé, comprar roupas, montar o quarto, ultimar os preparativos para a maternidade, cada fase tem a sua magia e há umas mais complexas que outras. Claramente que a escolha do nome foi o mais difícil, foram cinco longos e duros meses a debater sobre o nome da criança. De referir que apenas nos debruçámos sobre nomes femininos.
Inicialmente colocámos em cima da mesa alguns nomes que ambos gostávamos, depois de eliminarmos várias hipóteses sobraram dois, um da preferência do pai, outro da mãe. Passaram -se dias e dias que cada um de nós tentava convencer o outro a aceitar a sua proposta, ninguém mostrava cedência. Até que um dia, durante o jantar, o pai com um ar sério e sincero me diz que não gosta do nome que eu escolhi e eu, nos mesmos moldes, digo-lhe exatamente o mesmo.
Voltamos à estaca zero, teríamos de encontrar um nome que ambos gostássemos e convinha despachar para não correr o risco da criança nascer sem nome.
Numa tarde de domingo resolvemos refletir sobre o assunto et voilá, fez-se luz! O pai gostava de Ana, ambos gostávamos de Clara. E assim surge o nome da nossa Ana Clara.

Ângela Rodrigues

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta